Bom Dia! Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018.
 Home

   


Pe. Emerson Correr CSS
vocacional@estigmatinos.com.br
20/09/2005 - Tema: Vocação

Visualizações desta matéria: 116
Comente ou veja os comentários desta matéria (0)


CONFUSÃO ENTRE VOCAÇÃO E PROFISSÃO*

* Fonte: J. B. Libânio. Resumo da Palestra de Pe. Libânio, no Encontro Anual de Psicólogos da Conferência dos Religiosos do Brail, 15 de outurbo – Juiz de Fora-MG.

A modernidade avançada tem embaralhado as realidades de vocação e profissão com conseqüências para a identidade do ser religioso. A profissão quer dizer competência, eficiência, produtividade, reconhecimento social. Exige e se preocupa com a preparação para seu exercício. Entra-se numa roda-viva de cursos e títulos para adquirir sempre maio credibilidade diante da sociedade e assim obter êxito e remuneração. A profissão não suporta fracasso. Cessa quando a pessoa se torna incapaz de exercê-la por causa de idade, doença, aposentadoria... Não resiste no tempo. É fortemente condicionada por fatores externos à pessoa.
A vocação, por sua vez, passeia pelo mundo da gratuidade. A motivação vem do interior. Ela revela um “mais” em qualquer atividade que a pessoa exerça. Nas situações mais adversas, como doença, velhice, a vocação persiste, ainda que seja sob a única forma da oração e entrega a Deus.
Vocação e profissão nas são duas coisas diferentes, mas duas dimensões diferentes da atividade humana com distintivos específicos. A identidade do ser religioso implica uma relação própria entre as duas e vê-se ameaçada quando a profissão se sobrepõe à vocação.
O primordial vem da vocação. Ela dá sentido e motivação à profissão e não vice-versa. A Vida Religiosa lê a competência profissional a partir e em função da vocação e não como uma realidade autônoma.
Resumindo: a profissão e a vocação se distinguem, embora se articulem. A sociedade atual valoriza a profissão de tal modo que ela se torna critério da valorização da vocação. Daí crises contínuas. O caminho formativo parece ser o inverso: ler a profissão em vista da vocação segundo o critério inaniano do tantum quantum. Tanto mais profissão quanto mais ajuda á vocação e missão.

ASSIM...*
* Fonte: A Coordenação da Pastoral Vocacional da Arquidiocese do Rio de Janeiro
Vocação e profissão não são exatamente a mesma coisa. Veja o quadro seguinte e observe a distinção entre uma e outra:
 

Profissão

Vocação

Aptidão ou escolha pessoal para exercer um trabalho. Chamado de Deus, para uma missão, que se origina na pessoa como uma reação-aspiração do ser.
Preocupação principal: o “ter” o sustento na vida. Preocupação exclusiva: o “ser”, o amor e o serviço.
Pode ser trocada. É para sempre.
É exercida em determinadas horas. É vivida 24 horas por dia.
Tem remuneração. Não tem remuneração ou salário.
Tem aposentadoria. Não tem aposentadoria.
Quando não é exercida falta o necessário para viver. Quando não é vivida, falta a felicidade.
Na profissão eu faço. Na vocação eu vivo.

A profissão dignifica a pessoa quando é exercida com amor,espírito de serviço e responsabilidade.
A vocação vivida na fidelidade e na alegria confere ao exercício da profissão uma beleza particular e é caminho de santidade.


Veja outras matérias de Pe. Emerson Correr CSS...
30/10/2005 - Vocação - APROFUNDANDO - PARTE I
20/09/2005 - Vocação -
CONFUSÃO ENTRE VOCAÇÃO E PROFISSÃO*
29/06/2005 - Vocação -
VOCAÇÕES? DE QUEM É A RESPONSABILIDADE?
08/06/2005 - Vocação -
PROFISSÃO OU VOCAÇÃO?
18/05/2005 - Vocação -
"MARIA, ÉS FELIZ PORQUE ACREDITASTES!"
25/04/2005 - Vocação -
BÍBLIA E VOCAÇÃO (3ª. PARTE)
12/04/2005 - Vocação -
BÍBLIA E VOCAÇÃO (2ª. PARTE)
27/03/2005 - Vocação -
BÍBLIA E VOCAÇÃO (1ª. PARTE)
15/03/2005 - Vocação -
"OS BARULHOS SÃO MAIS ATRAENTES"
04/03/2005 - Vocação -
MAS, AINDA HÁ VOCAÇÕES?
23/02/2005 - Vocação -
O Padre que nós precisamos pode estar em sua casa!

 Voltar