Bom Dia! Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018.
 Home

   


Alzira Costa Viana Martins
alzira@paroquiastacruz.com.br
06/05/2005 - Tema: Liturgia

Visualizações desta matéria: 123
Comente ou veja os comentários desta matéria (0)


ASCENSÃO DO SENHOR

A festa litúrgica da Ascensão do Senhor surgiu provavelmente na segunda metade do século IV, porque no século V já estava largamente difundida. Santo Agostinho que morreu depois do ano 394, afirma que a festa da Ascensão do Senhor ao Céu é celebrada "toto terrarum orbe", por toda a terra.
Atualmente é celebrada no VII domingo de Páscoa. A nossa fé não deve pensar tanto na Ascensão como acontecimento localizado e determinado no tempo. Os textos da Escritura, oriundos de um contexto de cultura diferente da nossa, nos transmitem esta mensagem de salvação, devemos acolhê-la no plano da fé e da dimensão da realidade cósmica e sacerdotal da ressurreição.
Cristo que sobe ao céu é o Jesus ressuscitado que vive de maneira nova e diferente, a fim de que a sua humanidade, compreendido o seu corpo, totalmente vivificada pelo Espírito Santo, possa agir em nós, em toda a Igreja, em todo o mundo e em todos os tempos, como único instrumento de salvação, com um modo de presença: "Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo" por isso, "é melhor para vocês que eu vá embora, porque, se eu não for, o Advogado não virá para vocês".
O mistério da Ascensão está intimamente ligado à inauguração da missão da Igreja. A comunidade dos fiéis é um sinal do poder de Deus manifestado em Jesus Cristo. A Igreja pode estar presente em todos os tempos e lugares porque Cristo o seu chefe e senhor, está unido de maneira única ao mistério do Deus universal.
O Jesus que age em nós como cabeça da Igreja, é o mesmo Jesus que no mistério da Ascensão, celebramos glorificados pelo Pai. Todo impulso da graça vem dele e por meio dele; todo carisma da Igreja é distribuído por ele.
Com a Ascensão, portanto, cessa a experiência da presença sensível de Jesus em nosso meio (Cristo "segundo a carne": 2Cor 5,16) e começa o tempo da presença invisível de Jesus no Espírito, através do sinal visível do seu corpo, que é a Igreja: "Eu já não estou no mundo; eles permanecem no mundo, enquanto eu vou para junto de ti" (Jo 17,11).


Veja outras matérias de Alzira Costa Viana Martins...
29/05/2006 - Liturgia - FESTA DA ASCENSÃO DO SENHOR
17/02/2006 - Liturgia -
QUARESMA- TEMPO DE CONVERSÃO
26/11/2005 - Liturgia -
O TEMPO DO ADVENTO , do Livro "Cristo, Festa da Igreja"
30/10/2005 - Liturgia -
O CULTO DOS MÁRTIRES E DOS SANTOS ( do livro: Cristo, festa da Igreja )
11/08/2005 - Liturgia -
SÍMBOLOS NA LITURGIA
11/07/2005 - Liturgia -
AS CORES DO ANO LITÚRGICO
29/06/2005 - Liturgia -
VIVENDO OS PROPÓSITOS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS
13/06/2005 - Liturgia -
SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS
11/05/2005 - Liturgia -
PENTECOSTES - At 2, 1-11
06/05/2005 - Liturgia -
ASCENSÃO DO SENHOR
19/04/2005 - Liturgia -
Maria Mãe de Deus
02/04/2005 - Liturgia -
TEMPO PASCAL
21/03/2005 - Liturgia -
TRÍDUO PASCAL
16/03/2005 - Liturgia -
SEMANA SANTA - DOMINGO DE RAMOS
03/03/2005 - Liturgia -
Espiritualidade quaresmal

 Voltar